Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, 15 de agosto de 2017

O que é que vai estar a bombar no tempo dos nossos netos?

O meu filho aos 12 teve o sonho de ser um grande youtuber. Nunca incentivei porque tudo o que via era ridículo. Então ele resolveu criar um canal. E eu nem sabia se chorava ou ria quando vi um dos vídeos dele. Não parecia o meu Manel a falar. Não se atraveu muito com palavrões porque sabia que ia ver, mas era só "topas", "meus", "cenas". Parecia que tinha entrado para um gang de rua!! Ainda por cima tive de ser mais firme e realista quando me pediu para o promover na minha página 4D.
Ele acabou por perceber que muito poucos é que fazem daquilo vida e ganham milhões. Nessa altura pensei: caramba, acabei por desfazer o sonho do meu filho. Mas uma mãe serve mesmo para isso: às vezes polícia bom e outras vezes polícia mau.
Eventualmente perdeu o interesse no canal, quando percebeu que era mesmo difícil ter visualizações, quanto mais seguidores. Mas o bichinho está lá e vê constantemente, agora aos 13.
E há pouco tempo pensei que estávamos muito preocupados com o Facebook, mas  o futuro vai ser mais parecido com o youtube. Já está a ser. Não basta escrever. Isso vai-se tornar obsoleto e vão ser o fim dos blogs. Tirar fotos tambem não é suficiente e por isso criaram-se as instastories, para ser mais dinâmico. E já existem as vbloggers. Blogger que se preze já não escreve. Fala na sua página do YouTube. As palavras vão tender a desaparecer e eu muito preocupada com o acordo ortográfico. Com tudo isto, conseguem imaginar como vai ser no tempo dos nossos netos? Quem se atreve a adivinhar?
Eu, eu vou aproveitar a inspiração chegar e vou usar as minhas palavras no meu blog, enquanto ainda há quem  escreva e ainda há quem leia!!
Beijinhos

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

As séries são como anjos da guarda

Uma coisa boa que a guarda alternada me trouxe foram as séries.
Para quem está de fora é tudo muito fácil. E até os meus pais para me animarem puseram as coisas nesses termos. Não tinha os meus filhos, não tomava conta dos filhos de um parceiro divorciado ou viúvo...então tinha que relaxar e aproveitar o que a vida me estava a dar. Eu que não gosto de limões, achava que ela só podia estar a gozar com a minha cara, porque arranjou forma de me dar os limões mais amargos que existiam. Nem com todo o açúcar do pacote aquilo lá ia - depois admiram-se que tenha engordado.
Aquelas semanas eram agonizantes. Aliás, era tudo agonizante porque logo que estava com eles, bastava passar meia hora, já tinha de me estar a chatear porque eles não queriam ir para a cama, era tardíssimo e o dia seguinte era dia de escola.
Na semana em que estava sozinha vivia miserável pelo silêncio, pela falta deles, pela falta de notícias. Na semana em que estava com eles fazia muitas vezes de polícia má, para além de que parecia que tinha sido arrancada de um retiro de cantos gregorianos para uma festa de transe.
E pensei em mil coisas para fazer enquanto estava sozinha: vai ao cabeleireiro, vai arranjar as unhas...dizia-me uma amiga, mas não me fazia sentido. E não se passam horas nisso. Vai-se uma vez e pronto. Acho, que me desculpem, que essas sugestões servem na perfeição para quem precisava mesmo de estar sem os filhos durante umas horas.
No meu ideal, a divisão devia ser a meio da semana. Não sei. Parece que não custaria tanto.
Espero conseguir voltar ao ginásio e que não seja apenas uma promessa vã, mas as minhas tentativas foram quase ridículas. Ia um dia, não ia outro; ia mais um e depois duas semanas sem ir. A motivação estava a perder-se e eu não conseguia trazer de volta.
Pensei em ser professora e aluna ao mesmo tempo, em sítios diferentes. Mas era um semestre inteiro e não podia ir às aulas, à noite, quando eles estavam comigo.
Confesso que me vim um bocadinho abaixo. Era tão mais fácil ajudar os outros a reagirem, do que nós próprios reagirmos.
A cabeça passou horas a vaguear e a não fazer​ nada de concreto.
Cada uma acaba por achar o seu caminho. Que não é, mesmo, igual para todos. O blog ajudou muito, mas, embora pareça brincadeira é algo série, tenho que prestar homenagem às séries da Netflix. A minha grande companhia.
Um dia destes faço-vos uma lista se quiserem, mas eu só precisei de escrever no Google "melhores séries da Netflix" que as sugestões não tardaram a aparecer.

Peguei numa que nunca tinha ouvido falar, mas que tinha duas coisas a seu favor: estava no top 5 e era enorme - ia de 2011 a 2017.

Já foram tantas. Mas quero agradecer à Sense 8, Stanger Things, Narcos, 13 reasons why, Orange os the New Black, Girls, Love,  This is US, que me fez chorar e rir com tanto gosto e é só uma das melhores séries de sempre. é só para nomear algumas.
A tal última foi Suits. E acabei a série a querer beijar Harvey, ser como a Donna, abraçar e bater no Louis e o mesmo com o Mickey. Foram a companhia perfeita. Obrigada.

Agora ainda tenho a Anne with an E e handmaid's tale.

Quando gostamos de uma série entramos no enredo, identificamo-nos com personagens, odiamos outras e dificilmente nos sentimos sozinhos.
Não digo para se isolarem do mundo, longe disso. Mas estas séries foram a minha terapia, o meu apoio. Só posso sorrir e dizer " verdadeiros anjos sem asas".

segunda-feira, 31 de julho de 2017

12 anos já??




Não falo muito de mim. Nem sei a imagem que passo. Os últimos 2 anos têm sido de altos e baixos.
Já não faço feirinhas, não tenho pretensões de ser uma fashion Blogger e o que sei é que gosto de escrever, gosto de comunicar e tenho feito um percurso de me conhecer melhor.
No meio disto tudo, eu que falo tão pouco de mim, eu que não mostro tendências, sinto uma profunda gratidão e respeito por quem me segue e pelas marcas que continuaram a ver potencial em mim e me continuam a procurar.
Tenho uma mágoa que tenho trabalhado para passar e que não tem sido fácil de ultrapassar. Ao início trabalhei duro para que o blog crescesse. O blog que fez há 5 dias 12 anos e antes de haver espaços destes como cogumelos, em que até se era olhada de lado por ter um blog - mas o que é isso? É para se mostrar? Mas agora tem a mania que é escritora ou que tem estilo? Foram tempos difíceis. Quem não os viveu não percebe, agora que qualquer pessoa, seja um perfeito desconhecido, seja uma figura pública tem um blog. E onde há um nicho grande consegue viver ou quase viver disto.
Eu sou do tempo em que as marcas não percebiam que isto era trabalho e que, por mais que gostássemos do produto que estávamos a divulgar, tinha de haver um pagamento ou uma troca. Isto era valorizar o que fazíamos. E como era novidade para todos, não as grandes marcas, que sempre perceberam o potencial da coisa, mas as pequenas marcas também tiveram dificuldade em aceitar. Então agora faz um passatempo e pede um produto em troca? E foi engraçado, porque na minha cabeça sempre pedi o que é justo. Muitas vezes era eu que abordava as marcas - infelizmente não havia cá intermediários - e propunha: olhe, acho imensa piada à sua página, acho que isto ou aquilo tem imenso potencial, por isso proponho divulgar e em troca quero um para mim. Sempre fui Clara, sem fazer jogos, honestos, justa. Mas começou a correr o boato que eu era uma pedinchona. Quando soube doeu muito, achei tão injusto. Mas a vida é assim. Continuei a trabalhar, a fazer o que achava certo. Até que as grandes marcas apareceram e era tão claro, tão simples. Tão correcto.
Enfim, um percurso dificil, duro, sofrido, mas que eu me orgulho!
Afinal foram 12 anos. Como não fazer parte da minha identidade?
Portanto, celebremos os 12 anos, com o que de bom e mau trouxe.
Esta foto é especial. É uma foto de alegria, brincadeira e alma em paz.
Não é um sítio in, mas foi onde me senti mais bem recebida, mais acarinhada no último ano.
Por isso amigo Carlos, obrigada pela tua amizade. Amigos como tu há poucos.





quarta-feira, 19 de julho de 2017

Já aprendeste com os teus erros?



Uma das coisas que me tem incomodado bastante nos últimos tempos é perceber como é que podemos aprender com os erros. Sim, não sou daquelas que digo que nunca erro, que não faço asneiras, que numa ou noutra ocasião não possa ter deitado tudo a perder.

O que me incomoda é como é que se errámos, com outros ou connosco próprios, esse ou esses erros não são suficientes para aprendermos com eles, para não os voltarmos a cometer.

Tantas vezes que nos sai um “nunca mais” – faço isso, caio nessa, me engano, me enganam, magoo alguém ou a mim própria. Então porque é que volta a acontecer?

Uma das coisas que tenho percebido é que somos péssimos a julgar o futuro, a imaginar-nos no futuro, a pensar como temos de proceder no futuro. Será um problema do nosso cérebro? Pronto, e assim parece que estamos já a arranjar um culpado em vez de assumirmos apenas que somos nós que somos assim.

Mas porque é que cometemos os mesmos erros ou outros muito semelhantes vezes e vezes sem fim?

É fácil, num dia muito feliz, de celebração, ou num dia muito ruim, é fácil dizer e acreditar que as coisas vão ser diferentes. Mas depois não são. Sabemos cá dentro o que tem de mudar, mas não avançamos da ideia para a acção. E provavelmente nem essa verdadeira mudança cognitiva é feita. Mas porque é que os nossos cérebros permanecem exactamente na mesma? Tantas vezes a tomar a pior das decisões, a virar-se contra nós?

Porque é que resistimos à mudança, mesmo quando precisamos dessa mudança, quando sabemos que ela nos vai salvar, quando sabemos que não temos tantas oportunidades assim para fazer da nossa vida uma vida nova, diferente?

Será que a resposta é que, quando uma coisa boa acontece….ou uma má, olhamos para o futuro a querermos acreditar que vamos fazer diferente, mas esquecemo-nos de olhar com olhos de ver para o passado, para percebermos mesmo o que é que fizemos de errado?



Isto leva-me a outra questão. Será que não aprendemos com os nossos erros porque achamos que um erro define tudo o que somos e que nem vale a pena tentar ser diferente? No fundo, queremos mudar, mas queremos continuar na mesma, porque mudar implica dor, sofrimento e ao mesmo tempo uma dose muito grande de sensibilidade e auto-estima para nos perdoarmos. Para pensarmos que a mudança leva tempo e que o cérebro encontra gatilhos e estratégias para mantermo-nos no padrão mais conhecido que temos, mesmo que seja o mais destrutivo. Que errar é humano. Que esta “desculpa” não pode, nem deve servir para sempre, mas ajuda a atenuar os danos colaterais. E até a motivar-nos a fazer melhor.



Até parece que estou a falar de acções complicadas ou de coisas muito sérias. Tipo lobo mau. Não, estou a falar dos nossos erros diários, que parecem pouco, mas que continuam a persistir se começam a parecer com um monstro com mil cabeças. Os nossos nervosismos, o hábito de gritarmos, o Hábito de descontar em quem não merece, o hábito de procrastinar, o hábito de não lutarmos pelo que queremos, de não sabermos perdoar, de não deixar que a vida nos defina a nós, mas nós a ela…

Sim, são hábitos e por mais que de fora pensemos “se são maus hábitos é tempo de os mudar”, também temos de pensar que mudar um hábito demora, leva tempo, necessita de ser contrariado e domesticado. Não é que não tenhamos aprendido com os erros, mas os hábitos são difíceis de alterar.



A silly season pode servir para não pensar em muita coisa e descansar do ano difícil que tivemos. Mas porque não utilizarmos esta altura do ano para pensarmos o que é que andamos a fazer de correcto e de incorrecto nas nossas vidas?

E se Setembro é o tempo dos recomeços, eles não aparecem do nada e não se constroem sozinhos.



Talvez seja a altura certa para entre um mergulho e outro meditar sobre o que temos mesmo de mudar. Para haver mudanças, têm de haver novas acções, novos comportamentos, novas formas de estar na vida. E uma fé inabalável em nós e na ideia de que conseguimos essas mudanças. Com uma dose certa de perdão, uma espécie de shot, que é suficientemente forte para não nos deixar ir abaixo, e suficientemente pequeno, para não nos deixarmos abater demasiado pelos nossos erros. Concluindo, é mesmo importante percebermos o que é que aconteceu para dar errado, em nós e nos outros e à nossa volta (eu não nos quero transformar nos maus da história, mas se não nos puser a olhar para dentro de nós, será tão mais fácil, basta culpar tudo o resto e continuarmos na mesma). É urgente olhar para o que é que deu errado para começar a dar certo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...